Postado por Adm Entre mamães

O Zika Vírus, conhecido pela sigla ZIKV, é um arbovírus (transmitido por insetos, como o mosquito). Sua transmissão é feita pelo Aedes aegypti, o mesmo da dengue e do chikungunya.

Diagnosticado em abril deste ano, o zika vírus tem provocado intensa mobilização das autoridades de saúde no país.  A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu a relação entre a infecção pelo Zika vírus e os casos de bebês que nasceram com microcefalia (Caracterizada por uma má-formação cerebral, que faz com que o crânio não se desenvolva de forma normal. Não tem cura). Segundo matéria divulgada no portal Globo (G1): “…o teste foi realizado no Instituto Evandro Chagas, órgão vinculado ao Ministério da Saúde no Pará, que detectou a presença do vírus zika em amostras de sangue coletadas de um bebê que nasceu com microcefalia no Ceará e acabou morrendo…”.

O Ministério da Saúde adverte mulheres grávidas ou com possibilidade de engravidar para se proteger contra as picadas do mosquito. Utilize roupas que protejam o corpo, passe repelentes (de preferência os orientados pelo médico), utilize telas de proteção contra insetos em janelas e portas.

Ainda não se pode afirmar se há riscos de afetar o bebê se a mulher já tiver se curado do Zika Vírus.

“É preciso admitir que estamos enfrentando algo novo, que não conhecemos bem. O que sabemos é baseado em aspectos mais gerais e apoiado em experiências de outras doenças transmitidas por mosquitos”

Érico Arruda, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia

Conheça os sintomas:

– dores nas articulações, principalmente das mãos e dos pés;

– inchaço nas mãos e nos pés;

– febre baixa (até 38,5ºC);

– manchas avermelhadas pelo corpo;

– coceira frequente;

– dor no fundo dos olhos;

– vermelhidão nos olhos;

– tontura;

–  dores musculares;

– distúrbios digestivos, como náuseas, vômitos, diarreia e prisão de ventre, podem ocorrer, mas são menos comuns.

A evolução da doença costuma ser benigna e os sintomas geralmente desaparecem espontaneamente em um período de 3 até 7 dias. O quadro de zika é muito menos agressivo que o da dengue, por exemplo.

 

Tratamento: Segundo informações do Ministério da Saúde, os casos devem ser tratados com o uso de paracetamol ou dipirona para controle da febre e da dor. Antes de se automedicar, procure um médico. O uso de aspirina não é recomendável.

Prevenção: ainda não há vacinas para o Zika Vírus. Por isso, combata os focos do mosquito Aedes aegypti, não deixe água parada, coloque areia nos vasos de plantas. Não se esqueça de usar repelentes e telas/mosquiteiros nas janelas, além de roupas mais claras e que cubram o corpo.

Fontes: Portal G1, Revista Época, Portal da Saúde e Folha.

Deixe seu comentário