Postado por Karen

No dia 02 de novembro, ocorre um dos mais importantes rituais religiosos da tradição cristã católica, o Dia de Finados. Essa data relembra a memória dos mortos, dos entes queridos que já se foram, bem como é um dia para rezar pela alma deles por um processo de purificação.

Já é difícil lidarmos com a perda de uma pessoa querida, imagine para uma criança… É neste momento que precisamos comunicar, explicar com cautela e apresentar o que realmente aconteceu, amenizando o sofrimento. Poupar a criança da morte não é aconselhável, uma vez que ela poderá sentir-se com medo. Por exemplo: Se falarmos que fulano está dormindo profundamente, a criança poderá ter medo de dormir e nunca mais acordar, igual a fulano. Fale e ouça atentamente aos questionamentos de seus filhos, encorajando-os a falar o que estão pensando.  Responda todas as perguntas com frases simples e objetivas.

 

Devo levar crianças para o funeral?

Somente se ela estiver preparada para isso e se ela quiser. Neste caso, converse com ela e explique como será, que haverá pessoas chorando, pessoas tristes e sentidas. Informe que em um enterro as pessoas são colocadas em um caixão e são veladas, para depois serem enterradas. Mas explique o porquê.

E Pais, não poupem seus filhos com medo da reação deles. Sejam sinceros por mais difícil que seja este momento. A morte cerca o nosso mundo e a criança percebe isso. Ela vê, escuta e sabe o conceito do que é acabar. Uma boa oportunidade para tocar no assunto é se algum bichinho de estimação morreu. Desta forma a criança será preparada para quando acontecer com parentes.

 

Como contar?

“O que se deve fazer é ir educando seu filho através de exemplos práticos do ciclo da natureza. Semeie uma plantinha e vá mostrando como ela nasce, cresce, adoece e morre. Aquele feijãozinho plantado no algodão pode ser um ótimo aliado. Cantigas, livros infantis e filmes que tratam do assunto também ajudam, segundo Livia Valim, em especial para o iG”

 

Fonte: Guia do bebê, Delas|Filhos

Deixe seu comentário